Programação da Mostra Aki Kaurismaki @ Caixa Cultural RJ – 21 de julho a 2 de agosto de 2015

Programação:
21 de julho (terça-feira)
15h – Calamari Union (P&B, Finlândia,1985, 93 minutos. 14 anos).
Sinopse: grupo de finlandeses, onde todos se chamam Frank e moram num subúrbio pobre de Helsinque, decide ir viver na área rica da cidade em busca de uma vida melhor.
17h – Crime e Castigo (Cor, Finlândia ,1983, 93 minutos. 14 anos).
Sinopse: empregado de um matadouro comete um crime e enquanto a polícia faz a investigação, conhece uma jovem que mudará o rumo de sua vida.
19h – Sombras no Paraíso (Cor, Finlândia,1968, 76 minutos. 14 anos).
Sinopse: a história de amor entre um motorista de caminhão de lixo e a caixa de um supermercado complica-se quando ela, ao ser despedida, resolve roubar o patrão e ele envolve-se na morte de um colega.
19h – Rocky VI (P&B, Finlândia, 1986, 9 minutos. 14 anos).
Sinopse: Rocky defende o mundo livre e luta contra um enorme rival soviético. Sátira aos filmes de Sylvester Stallone.

22 de julho (quarta-feira)
15h – Os Leningrados Cowboys Vão Para a América (Cor, Finlândia-Suécia, 1989, 78 minutos. 10 anos).
Sinopse: banda de rock russa fictícia Leningrad Cowboys faz uma turnê pelos Estados Unidos promovida por um empresário trapalhão.
15h – Thru The Wire (P&B, Finlândia, 1987, 6 minutos. 14 anos).
Sinopse: Homem foge da prisão e procura sua namorada em bares e boates.
17h – Hamlet Vai à Luta (P&B, Finlândia, 1987, 87 minutos. 10 anos).
Sinopse: após a morte do pai, o jovem Hamlet herda seu lugar na empresa controlada pelo tio.
19h – Ariel (Cor, Finlândia, 1988, 73 minutos. 14 anos)
Sinopse: mineiro perde o pai e é preso por um crime que não cometeu. Na cadeia, começa a sonhar com uma nova vida em outro país e planeja escapar da prisão.
19h – Rich Little Bitch (Cor, Finlândia, 1987, 6 minutos. 14 anos).
Sinopse: a banda de rock finlandesa Melrose toca uma música de seu repertório em registro feito durante as filmagens de Hamlet Vai à Luta.

23 de julho (quinta-feira)
15h – Os Leningrados Cowboys Encontram Moisés (Cor, Finlândia-Alemanha-França, 1984, 93 minutos. 10 anos).
Sinopse: depois de anos tentando a sorte no México, banda resolve voltar a Sibéria natal. Mas tudo se complica quando passam a ser perseguidos pela CIA, que está à procura do nariz roubado da estátua da Liberdade
17h – A Garota da Fábrica de Caixas de Fósforos (Cor, Finlândia-Suécia, 1990, 68 minutos. 14 anos).
Sinopse: funcionária de uma fábrica tem sua vida monótona modificada quando um homem galanteador se interessa por ela. Mas, grávida e feliz, decepciona-se quando o amado envia um cheque para o aborto.
17h – These Boots (Cor, Finlândia, 1992, 6 minutos. 14 anos).
Sinopse: a “história da Finlândia de 1952 a 1969” é contada neste curta que mostra o principais eventos da vida de um homem: seu nascimento, os anos escolares, o casamento. Membros do Leningrad Cowboys interprentam os principais papéis e cantam a música tema, uma versão de These Boots Are Made for Walkin’, classico pop de Nancy Sinatra.
19h – Contratei um Matador Profissional (Cor, Finlândia-Reino Unido-Alemanha-Suécia-França, 1990, 79 minutos. 14 anos).
Sinopse: desempregado francês que mora na Inglaterra contrata um assassino de aluguel para dar fim a sua vida, mas se apaixona por uma mulher e não encontra o profissional para cancelar o acordo. Mostra Competitiva – Festival de Veneza.

24 de julho (sexta-feira)
15h – Total Balalaika Show (Cor, Finlândia, 1994, 54 minutos. 10 anos).
Sinopse: documentário sobre o show realizado em Helsinque, em junho de 1993, pela banda de rock Leningrad Cowboys junto com o Coro Alexandrov, de cem cantores, e quarenta músicos e vinte dançarinos do Corpo de Dança do Exército Vermelho.
15h – Dogs Have No Hell (Cor, Finlândia, 2002, 10 minutos. 14 anos).
Sinopse: depois de sair da cadeia, homem sonha com um futuro melhor nos campos de petróleo da Sibéria. Episódio de Kaurismaki no longa Ten Minutes Older – The Trumphet, que o finlandês assinou ao lado de Chen Kaige, Jim Jarmusch, Spike Lee, Spike Lee, Víctor Erice, Werner Herzog, Wim Wenders. Mostra Um Certain Regard – Festival de Cannes.
15h – Bico (Cor, Portugal, 2004, 6 minutos. 14 anos).
Sinopse: documentário lírico sobre uma pequena aldeia nas montanhas. Bico faz parte do longa-metragem Visões da Europa que reúne curtas de 26 cineastas de diferentes partes do continente.
15h – Those Were The Days (P&B, Finlândia, 1991, 6 minutos. 14 anos).
Sinopse: rapaz solitário e seu burrico perambulam pela noite de Paris até encontrar um restaurante que os aceite. Como fundo musical, os Lenigrad Cowboys dão sua versão para este sucesso da música russa nos anos 1960.
19h – Nuvens Passageiras. (Cor, Finlândia, 1996, 96 minutos. 14 anos).
Sinopse: Marido e mulher perdem seus empregos praticamente ao mesmo tempo. Orgulhosos demais para ficarem dependentes do seguro desemprego, tentam um emprego após o outro, sem sorte. Prêmio do Júri Ecumênico – Festival de Cannes, Prêmio do Público – Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

25 de julho (sábado)
14h – Oficina com Jacques Cheuiche: Filmando com Aki Kaurismäki.
17h – La Vie de Bohème. (P&B, França-Alemanha-Suécia-Finlândia, 1992, 100 minutos. 14 anos).
Sinopse: três artistas, pobres e boêmios, fazem o que podem para viver em Paris. Prêmio da Crítica Internacional – Festival de Berlim.
19h – Juha (P&B, Finlândia, 1998, 78 minutos. 14 anos).
Sinopse: Uma dona-de-casa simplória é seduzida por um charmoso trapaceiro e abandona seu casamento. Prêmio CICAE – Menção Honrosa – Festival de Berlim
19h – L . A . Woman. (Cor, Finlândia, 1987, 5 minutos. 14 anos).
Sinopse: Os Leningrad Cowboys interpretam um clássico do conjunto de rock americano The Doors.

26 de julho (domingo)
15h – O Homem Sem Passado. (Cor, Finlândia-Alemanha-França, 2002, 97 minutos. 14 anos).
Sinopse: Homem perde a memória ao ser agredido durante um assalto e passa a ter dificuldades para sobreviver. Até encontrar o amor com uma funcionária do Exército da Salvação. Melhor Atriz (Kati Outnen), Grande Prêmio do Júri, Prêmio do Júri Ecumênico – Festival de Cannes, Indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.
17h – Luzes na Escuridão (Cor, Finlândia-Alemanha-França, 2006, 78 minutos. 14 anos).
Sinopse: Guarda-noturno solitário de um shopping de Helsinque se envolve com uma linda loira misteriosa.
17h – Valimo (Cor, Finlândia, 2007, 3 minutos. 14 anos).
Sinopse: Valimo é o episódio de Kaurismaki no longa Cada um com seu Cinema que reuniu curtas de três minutos do duração de 33 cineastas de todo o mundo. O filme foi feito em comemoração ao 60° do Festival de Cannes.
19h – O Porto (Cor, Finlândia-Alemanha-França, 2011, 93 minutos. 14 anos).
Sinopse: Enquanto sua esposa está hospitalizada com câncer, engraxate francês esconde um menino, imigrante africano ilegal, da polícia.

28 de julho (terça-feira)
15h – Total Balalaika Show (Cor, Finlândia, 1994, 54 minutos. 10 anos).
Sinopse: documentário sobre o show realizado em Helsinque, em junho de 1993, pela banda de rock Leningrad Cowboys junto com o Coro Alexandrov, de cem cantores, e quarenta músicos e vinte dançarinos do Corpo de Dança do Exército Vermelho.
15h – Dogs Have no Hell (Cor, Finlândia, 2002, 10 minutos. 14 anos).
Sinopse: depois de sair da cadeia, homem sonha com um futuro melhor nos campos de petróleo da Sibéria. Episódio de Kaurismaki no longa Ten Minutes Older – The Trumphet, que o finlandês assinou ao lado de Chen Kaige, Jim Jarmusch, Spike Lee, Spike Lee, Víctor Erice, Werner Herzog, Wim Wenders. Mostra Um Certain Regard – Festival de Cannes.
15h – Bico (Cor, Portugal, 2004, 6 minutos. 14 anos).
Sinopse: documentário lírico sobre uma pequena aldeia nas montanhas. Bico faz parte do longa-metragem Visões da Europa que reúne curtas de 26 cineastas de diferentes partes do continente.
17h – Os Leningrados Cowboys encontram Moisés (Cor, Finlândia-Alemanha-França, 1984, 93 minutos. 10 anos).
Sinopse: depois de anos tentando a sorte no México, banda resolve voltar a Sibéria natal. Mas tudo se complica quando passam a ser perseguidos pela CIA, que está à procura do nariz roubado da estátua da Liberdade
19h – Os Leningrados Cowboys vão para a América (Cor, Finlândia-Suécia, 1989, 78 minutos. 10 anos).
Sinopse: banda de rock russa fictícia Leningrad Cowboys faz uma turnê pelos Estados Unidos promovida por um empresário trapalhão.

29 de julho (quarta-feira)
15h – Calamari Union (P&B, Finlândia, 1985, 93 minutos. 14 anos).
Sinopse: grupo de finlandeses, onde todos se chamam Frank e moram num subúrbio pobre de Helsinque, decide ir viver na área rica da cidade em busca de uma vida melhor.
17h – Se Cuida, Tatiana (P&B, Finlândia-Alemanha, 1994, 60 minutos. 14 anos).
Sinopse: dois amigos rodam a esmo por Helsinque até que encontram duas turistas, uma russa e outra estoniana.
17h – Valimo (Cor, Finlândia, 2007, 3 minutos.14 anos).
Sinopse: Valimo é o episódio de Kaurismaki no longa Cada um com seu Cinema que reuniu curtas de três minutos do duração de 33 cineastas de todo o mundo. O filme foi feito em comemoração ao 60° do Festival de Cannes.
19h – O Porto (Cor, Finlândia-Alemanha-França, 2011, 93 minutos. 14 anos).
Sinopse: Enquanto sua esposa está hospitalizada com câncer, engraxate francês esconde um menino, imigrante africano ilegal, da polícia.

30 de julho (quinta-feira)
15h – Contratei um Matador Profissional. (Cor, Finlândia-Reino Unido-Alemanha-Suécia-França, 1990, 79 minutos. 14 anos).
17h – Juha (P&B, Finlândia, 1998, 78 minutos. 14 anos).
Sinopse: uma dona-de-casa simplória é seduzida por um charmoso trapaceiro e abandona seu casamento. Prêmio CICAE – Menção Honrosa – Festival de Berlim
17h – Rich Little Bitch (Cor, Finlândia, 1987, 6 minutos. 14 anos).
Sinopse: a banda de rock finlandesa Melrose toca uma música de seu repertório em registro feito durante as filmagens de Hamlet Vai à Luta.
19h – Crime e Castigo (Cor, Finlândia, 1983, 93 minutos. 14 anos).
Sinopse: empregado de um matadouro comete um crime e enquanto a polícia faz a investigação, conhece uma jovem que mudará o rumo de sua vida.

31 de julho (sexta-feira)
15h – La Vie de Bohème (P&B, França-Alemanha-Suécia-Finlândia, 1992, 100 minutos. 14 anos).
Sinopse: três artistas, pobres e boêmios, fazem o que podem para viver em Paris. Prêmio da Crítica Internacional – Festival de Berlim.
17h – Hamlet Vai à Luta (P&B, Finlândia, 1987, 87 minutos. 10 anos).
Sinopse: após a morte do pai, o jovem Hamlet herda seu lugar na empresa controlada pelo tio.
17h – Thru The Wire (P&B, Finlândia, 1987, 6 minutos. 14 anos).
Sinopse: homem foge da prisão e procura sua namorada em bares e boates.
19h – O Homem Sem Passado (Cor, Finlândia-Alemanha-França, 2002, 97 minutos. 14 anos).
Sinopse: homem perde a memória ao ser agredido durante um assalto e passa a ter dificuldades para sobreviver. Até encontrar o amor com uma funcionária do Exército da Salvação. Melhor Atriz (Kati Outnen), Grande Prêmio do Júri, Prêmio do Júri Ecumênico – Festival de Cannes, Indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

1 de agosto (sábado)
15h – O Porto (Cor, Finlândia-Alemanha-França, 2011, 93 minutos. 14 anos).
Sinopse: enquanto sua esposa está hospitalizada com câncer, engraxate francês esconde um menino, imigrante africano ilegal, da polícia.
17h – Luzes na Escuridão (Cor, Finlândia-Alemanha-França, 2006, 78 minutos. 14 anos).
Sinopse: guarda-noturno solitário de um shopping de Helsinque se envolve com uma linda loira misteriosa.
19h – Nuvens Passageiras (Cor, Finlândia, 1996, 96 minutos. 14 anos).
Sinopse: marido e mulher perdem seus empregos praticamente ao mesmo tempo. Orgulhosos demais para ficarem dependentes do seguro desemprego, tentam um emprego após o outro, sem sorte. Prêmio do Júri Ecumênico – Festival de Cannes, Prêmio do Público – Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

2 de agosto (domingo)
15h – Ariel (Cor, Finlândia, 1988, 73 minutos. 14 anos).
Sinopse: mineiro perde o pai e é preso por um crime que não cometeu. Na cadeia, começa a sonhar com uma nova vida em outro país e planeja escapar da prisão.
15h – Rocky VI (P&B, Finlândia,, 1986, 9 minutos. 14 anos)
Sinopse: Rocky defende o mundo livre e luta contra um enorme rival soviético. Sátira aos filmes de Sylvester Stallone.
17h – A Garota da Fábrica de Caixas de Fósforos (Cor, Finlândia-Suécia, 1990, 68 minutos. 14 anos).
Sinopse: funcionária de uma fábrica tem sua vida monótona modificada quando um homem galanteador se interessa por ela. Mas, grávida e feliz, decepciona-se quando o amado envia um cheque para o aborto.
17h – L . A . Woman (Cor, Finlândia,, 1987, 5 minutos. 14 anos).
Sinopse: os Leningrad Cowboys interpretam um clássico do conjunto de rock americano The Doors.
19h – Sombras no Paraíso (Cor, Finlândia, 1968, 76 minutos. 14 anos).
Sinopse: a história de amor entre um motorista de caminhão de lixo e a caixa de um supermercado complica-se quando ela, ao ser despedida, resolve roubar o patrão e ele envolve-se na morte de um colega.
19h – These Boots (Cor, Finlândia, 1992, 6 minutos. 14 anos).
Sinopse: a “história da Finlândia de 1952 a 1969” é contada neste curta que mostra o principais eventos da vida de um homem: seu nascimento, os anos escolares, o casamento. Membros do Leningrad Cowboys interprentam os principais papéis e cantam a música tema, uma versão de These Boots Are Made for Walkin’, classico pop de Nancy Sinatra.

Programação da Mostra Cinema Direto Canadense @ Caixa Cultural RJ – 21 de julho a 2 de agosto

Programação:

21 de julho (terça-feira)
14h30 – Para aqueles que virão (Pour la suite du monde) (1962), de Michel Brault e Pierre Perrault, 105 min, 16 anos.
16h40 – Os corredores de raquetes de neve (Les Raquetteurs) (1958), de Michel Brault e Gilles Groulx, 14 min, 16 anos;
Quebec-U.S.A. ou A invasão pacífica (Québec-U.S.A. ou I’invasion pacifique) (1962), de Michel Brault e Claude Jutra, 27 min, 16 anos;
Veja Miami (Voir Miami) (1963), de Gilles Groulx, 27 min, 16 anos;
Elogio ao Chiac (Éloge du Chiac) (1969), de Michel Brault, 27 min, 16 anos.

22 de julho (quarta-feira)
15h – Warrendale (Warrendale) (1967), de Allan King, 101 min, 16 anos.
17h10 – No fim das contas (À tout prendre) (1963), de Claude Jutre, 100 min, 16 anos.

23 de julho (quinta-feira)
15h40 – As coisas que não posso mudar (The things I cannot change) (1967), de Tanya Ballantyne, 55 min, 16 anos.
17h10 – Marido e esposa (A married couple) (1969), de Allan King, 97 min, 16 anos.

24 de julho (sexta-feira)
14h30 – A luta (La Lutte) (1961), de Michel Brault, Claude Jutra, Claude Fournier e Marcel Carrière, 27 min, 16 anos;
Um jogo tão simples (Un jeux si simple) (1964), de Gilles Groulx, 29 min, 16 anos;
Luvas douradas (Golden gloves) (1964), de Gilles Groulx , 27 min, 16 anos;
Skate (Rouli-roulant) (1969), de Claude Jutra, 15 min, 16 anos.
17h – Meu tio Antonie (Mon oncle Antonie) (1971), de Claude Jutra, 110 min, 16 anos.

25 de julho (sábado)
15h10 – O gato no saco (Le chat dans le sac) (1964), de Gilles Groulx, 78 min, 16 anos.
16h50 – L’Acadie, I’Acadie?!? (1971), de Michel Brault e Pierre Perrault, 117 min, 16 anos.

26 de julho (domingo)
15h – Os corredores de raquetes de neve (Les Raquetteurs) (1958), de Michel Brault e Gilles Groulx, 14 min, 16 anos;
Quebec-U.S.A. ou A invasão pacífica (Québec-U.S.A. ou I’invasion pacifique) (1962), de Michel Brault e Claude Jutra, 27 min, 16 anos;
Veja Miami (Voir Miami)(1963), de Gilles Groulx, 27 min, 16 anos;
Elogio ao Chiac (Éloge du Chiac) (1969), de Michel Brault, 27 min, 16 anos.
17h10 – Vamos, filhos (Come on children) (1973), de Allan King, 95 min, 16 anos.

28 de julho (terça-feira)
17h – Meu Tio Antonie (Mon oncle Antonie) (1971), de Claude Jutra, 110 min, 16 anos.
19h30 – O rapaz solitário (Lonely boy) (1962), de Roman Kroitor e Wolf Koenig, 26 min, 16 anos;
Stravinsky (1965), de Roman Kroitor e Wolf Koenig, 49 min, 16 anos.

29 de julho (quarta-feira)
17h10 – Arcádia, Arcádia?!? (L’Acadie, I’Acadie?!?) (1971), de Michel Brault e Pierre Perrault, 117 min, 16 anos.
19h30 – O gato no saco (Le chat dans le Sac) (1964), de Gilles Groulx, 78 min, 16 anos.

30 de julho (quinta-feira)
17h10 – A luta (La Lutte) (1961), de Michel Brault, Claude Jutra, Claude Fournier e Marcel Carrière, 27 min, 16 anos;
Um jogo tão simples (Un jeux si simple) (1964), de Gilles Groulx, 29 min, 16 anos;
Luvas douradas (Golden gloves) (1964), de Gilles Groulx , 27 min, 16 anos;
Skate (Rouli-roulant) (1969), de Claude Jutra, 15 min, 16 anos.
19h10 – Warrendale (Warrendale) (1967), de Allan King, 101 min, 16 anos.

31 de julho (sexta-feira)
17h20 – Vamos, filhos (Come on children) (1973), de Allan King, 95 min, 16 anos.
19h20 – Entre o mar e a água doce (Entre la mer et l’eau douce) (1965), de Michel Brault, 85 min, 16 anos.

1º de agosto (sábado)
17h – No fim das contas (À tout prendre) (1963), de Claude Jutra, 100 min, 16 anos.
19h – Palestra com o professor Thomas Waugh, da Concordia University (Montreal), com mediação do professor da UFPE e curador da mostra Fernando Weller.

2 de agosto (domingo)
17h10 – Marido e esposa (A married couple) (1969), de Allan King, 97 min, 16 anos.
19h10 – Para aqueles que virão (Pour la suite du monde) (1962), de Michel Brault e Pierre Perrault, 105 min, 16 anos.
Serviço:
Mostra Cinema Direto Canadense
Entrada Franca
Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Cinema 2
Endereço: Av. Almirante Barroso, 25, Centro (Metrô: Estação Carioca)
Telefone: (21) 3980-3815
Data: 21 de julho a 2 de agosto de 2015 (terça-feira a domingo)
Horário: Consultar programação
Lotação: 80 lugares (mais dois para cadeirantes)
Classificação Indicativa: 16 anos
Acesso para pessoas com deficiência
Patrocínio: Caixa Econômica Federal e Governo Federal

Fonte: http://www20.caixa.gov.br/Paginas/Releases/Noticia.aspx?releID=734

Michel Mourlet – Sobre uma arte ignorada

image

Sobre uma arte ignorada

Há um mal-entendido sobre o cinema. Digo: no coração mesmo da elite que faz profissão de elaborar ou de compreender a arte. Uma extrema confusão preside seus julgamentos e seus trabalhos. Uma falta de abertura inclina uns a considerar o cinema como um divertimento menor que abandonamos rapidamente para retornar às coisas sérias, tais como a literatura. Uma falha de exigência incita outros a povoar seu panteão em cinqüenta anos de uma centena de gênios, e a descobrir uma obra importante por semana. Estes são os mais perigosos, pois a espécie dos primeiros se apagaria por si mesma sob o peso do tempo e da evidência, caso ela não se achasse fortificada pela parca seriedade dos segundos. E dentre esses últimos a discórdia não é menos viva. Não tendo idéia do que buscam, como eles persuadiriam alguém a amar o cinema? Enquanto as artes milenares dispõem de um termômetro pouco a pouco ajustado pelos consumidores ativos, minoria que acaba impondo seu gosto sobre a passividade da maioria – donde um acordo estatístico sobre os fins e sua realização –, o espectador de cinema está entregue a si mesmo, jogado nu em sua poltrona, virgem de hábitos e de leis. Ele precisa a cada vez percorrer todo o caminho, reinventar as tabelas de valores, enquanto o apreciador de Música ou de Poemas, que os séculos liberaram da tarefa de julgar, deixa-se conduzir confiantemente a seu prazer. Ele não é mais levado pela cultura a uma reverência cujo protocolo o tempo fixou, essa cultura ao contrário entrava sua compreensão de uma arte que para possuir seus recursos próprios deve necessariamente não derivar dos mesmos critérios interiores[1] dos quais ela nos dá o modelo. O espectador de cinema extrai de si mesmo exigência e lucidez, ele se forma e amadurece só em contato com as obras; não há trapaça possível. O cinema é um potente revelador. Daí a mistura e o ruído que surpreendem às vezes em habitués das salas obscuras, onde o passivo e o ativo divididos em mil partes contraditórias têm a mesma potência de voz. Já que, no entanto, desenham-se linhas de partilha, uma maioria sobressai, e esta é naturalmente a da imobilidade mais míope.

Propõe-se esboçar aqui uma análise da res cinematographica considerada em seu ser e sob os pressupostos que a mascaram. O cinema nasce com esforço, ele se procura e nós o procuramos, ele toma lentamente consciência de si mesmo através de seus avatares. Essa arte é a que mais exige disponibilidades, flexibilidade, aquela cujo deus adorado no dia anterior deve poder ser renegado no dia seguinte. Imaginemos o espectador ideal à beira da tela, monstro de inocência e de rigor…

O cinema começa com o sonoro.

Pode parecer estranho e mesmo contrário às proposições precedentes que a propósito dessa arte adolescente e de evolução acelerada venhamos a falar de “essência”. Pareceria que diante das figuras sucessivas que ele assume, deveríamos nos contentar em aguardar, sem procurar defini-lo. Entretanto, seria interditado pensar que dessas premissas estaríamos no direito de tirar certas implicações permanentes, porquanto contidas no modo da apreensão cinematográfica do real? De fato, essas implicações aparecem e desaparecem como um fio na trama histórica do cinema, separando o joio do trigo, pondo em plena luz as formas aberrantes e as estruturas essenciais.

A arte sempre havia sido uma mise en scène do mundo, ou seja, uma chance dada à realidade contingente e inacabada de se locupletar, de um golpe preciso, segundo os desejos do homem. Mas esse mundo não podia ser apreendido senão por um meio termo, era preciso recriá-lo em uma matéria indireta, transpô-lo, proceder por alusões e convenções, na impossibilidade de uma possessão imediata. Linguagem, tela e cores, mármore, sonoridades, convenções teatrais eram o lugar da alquimia onde o mundo cambiava sua forma contra sua verdade. Nessas condições, a obra se media em valor absoluto independentemente de sua técnica, a renovação desta não engendrando um progresso, mas a simples exploração de um domínio novo. Dito de outro modo, a arte criando sua própria matéria não era suscetível de aperfeiçoamento, e as obras mais primitivas, por definição, igualavam as mais refinadas.

Ora, no fim do século XIX, um evento considerável vem bagunçar esses dados. O meio de captar a realidade diretamente, sem mediação, sem essas convenções cuja necessidade Valéry tinha compreendido muito bem quando se trata de recriar pelas forças do homem, fora descoberto. Um olho de vidro e uma memória de bromato de prata deram ao artista a possibilidade de recriar o mundo a partir daquilo que ele é, portanto de fornecer à beleza as armas mais agudas do verdadeiro.

O princípio do cinema como modo de apreensão é fundado sobre o registro passivo das deformações do espaço. Uma idéia que teve curso outrora queria que o cinema puro fosse mudo, que somente o jogo das imagens pudesse dar conta dessa arte que se tomava por uma espécie de pintura móvel. Isso era não enxergar duas coisas: a primeira, que o som é uma implicação necessária das premissas visuais do cinema; a segunda, que a linguagem metafórica das imagens mudas correspondia à obrigação de falar na ausência do som, e não a uma finalidade interna. Que, muito pelo contrário, uma tal deformação das aparências traía a vocação original da câmera, eis o que experimentamos hoje no espetáculo das caretas e da gesticulação desses fantasmas, e das sobre-impressões, das trucagens que conduziam a sétima arte sobre as vias de um onirismo de camelô, sem medida comum com a revelação cortante de que ele tem o poder.

Pretender que o som seja uma conseqüência previsível de A chegada de um trem à estação Ciotat não é um paradoxo[2]. O registro das aparências visuais devia criar a necessidade de uma apreensão completa do real, pelo movimento de sua dialética com o mundo: indo rumo às formas sensíveis, ele era sentido em sua separação do universo sonoro como algo obstruído no caminho, incompleto, em devir rumo a uma plenitude que se apoderaria de todas as formas. Enquanto os técnicos buscavam o procedimento que faria do cinema o que ele tendia a ser, os cineastas tentavam suplantar seu mutismo de duas maneiras bem diferentes. A primeira, ao orientar a imagem rumo à significação puramente plástica, o que levava ao monstruoso híbrido de uma arte da apreensão objetiva da aparência dedicada ao registro do falso[3] (híbrido do qual o “caligarismo” é a manifestação mais típica e mais insuportável): ao fazê-lo, o cinema perdia sua extraordinária originalidade para se pôr na esteira das artes cuja matéria não é o mundo, mas a metáfora do mundo. A segunda, ao fatiar o escoamento das imagens com intertítulos, como Griffith ou Stroheim. Notemos que essa última solução preservava a franqueza essencial de nossa arte: um filme de Griffith não é um cinema que traiu o cinema, é um cinema ao qual falta a palavra, um cinema atento a seu ser e localizado sobre a via central de seu porvir. Dessa via que passa por Griffith, Stroheim, Murnau, divergem, conforme vimos, múltiplos vieses de garagem – plástico, pictórico, trucagens surrealistas, expressionismo alemão, e todos esses filmes sofríveis, ditos de “vanguarda” ou “experimentais”, que são o último sobressalto de uma estética minada por sua contradição interna.

Assim, uma arte cuja singularidade é estar fundada sobre a técnica no sentido mecânico da palavra se acha, por esse fato, suscetível de progresso, noção incompatível com a concepção tradicional da arte. Seu primeiro princípio, o olho registrador, indica sua vocação de posicionar o homem diante do mundo, e por conseguinte sua realização ideal, que é estar dotado de sentidos tão sutis quanto os sentidos humanos[4]. Quanto menos esses sentidos estão afinados, mais a obra dá uma sensação de inacabamento e de mal-estar. É preciso ousar dizer que o cinema começa com o sonoro. Aquilo a que costumamos chamar as obras-primas do mudo são apenas as etapas de um desabrochamento; trata-se de recolocá-las em sua perspectiva balbuciante, aproximativa, de qual teria sido o gênio de seus autores. Esse gênio não está em causa, mas os meios a seu serviço. Imaginemos os Girassóis de Van Gogh desenhados com giz, ou Mozart diante de seu tam-tam. E mesmo assim, os girassóis de giz se acomodariam a esse postulado, o virariam a seu favor; Mozart inventaria uma linguagem batendo sobre a pele esticada. Mas não há linguagem a inventar com o olho irrefutável, não há convenções a estabelecer de partida; se eu planto minha câmera em um canto e os atores vêm a seu turno declamar diante dela com gestos de teatro, eu não “faço cinema”, eu transformo o espectador em um paralítico ao qual uma trupe beneficente vem fazer uma representação. Eu não o coloco em contato direto com o mundo, eu lhe ofereço o que o teatro já lhe oferecia, mas seqüestrando-lhe a motivação, o ritual, para não deixar senão o resultado e a partir daí restituir-lhe seu artifício, como se minha câmera estivesse parada diante da cena a fim de considerá-la de fora. Com efeito, o espectador sente confusamente que esse olho congelado, posto sobre essas formas, objetiva-as, despe-as de seu valor de linguagem, põe a nu sua mentira que não procede mais de uma comunicação metafórica porquanto a cumplicidade foi rompida entre o olhar e o objeto. Em outros termos, toda deformação da realidade com fins de expressão, condição das artes tradicionais, pelo fato de que ela chega ao espectador de cinema através da objetividade da câmera, se revela como mentira. O painel elizabethano onde está inscrita a palavra “Floresta” sobre a cena é a melhor imagem da floresta. Esse mesmo painel, filmado, será apenas um painel e a ausência evidente da floresta. É que o lugar ideal não é proposto diretamente ao olhar prevenido, ele o é por meio de um olhar intermediário cuja inocência e insensibilidade corroem na passagem sua vontade de expressão. A heresia que mais atrapalhou o desenvolvimento do cinema foi tomá-lo por um simples jogo de imagens suscetível de todas as combinações possíveis (exemplo: as sobre-impressões), esquecendo o ponto de partida dessas imagens: um olhar sobre o mundo sensível. Desse esquecimento resulta quase inteiramente o caráter caduco de uma grande parte da produção de antes da guerra. Cada vez que uma combinação entra em conflito com sua condição original (assim o vento que sopra do espelho em L’Âge d’Or), o imenso poder de credibilidade da fotografia se volta contra si mesmo para denunciar a inverossimilhança, multiplicado pela aparência do verdadeiro. O que poderia ser poesia nas palavras, porque a linguagem está apta a refletir as combinações ilimitadas do espírito, é apenas trucagem nos limites do olhar. Notemos que o cinema deixa atrás de si os “cinéfilos” e não se permite mais tais monstruosidades que os amadores ainda veneram. Haveria uma análise a fazer, que excederia o propósito desse estudo, das excrescências que sufocaram num certo momento uma arte intoxicada de si mesma e crendo explorar seus recursos enquanto se destacava de sua verdade profunda. Assim os ensaios de câmera subjetiva que, ao introduzir à força o espectador no espetáculo, propõem-lhe um duplo que ele não reconhece.

A tomada de consciência progressiva de sua natureza própria, somada à faculdade de aperfeiçoamento técnico na franqueza e na adequação ao real, acarreta uma conseqüência irritante: à medida que o cinema progride, as obras antigas se desvalorizam em proveito das novas. Há no público de cinema uma superstição das velhas obras-primas que se explica de diferentes modos. O primeiro, por sentimentalismo: teríamos pena de renegar suas primeiras e entusiasmantes descobertas, mesmo se o charme se escondeu diante do aprofundamento do conhecimento e da maturidade do gosto. Uma outra razão dessa superstição é que, a despeito da evidência, não admitimos a diferença o cinema e as outras artes, e imaginamos que entre um filme do período da infância e um filme adulto existe uma mesma relação que entre uma escultura primitiva e uma escultura de Houdon. Mas isso é não enxergar que de uma parte nós estamos em presença de duas eras da humanidade, duas concepções do mundo se exprimindo através de meios invariáveis, enquanto na outra temos o mesmo homem, antes paralisado, mudo, atingindo perturbações visuais, depois em possessão de todas as suas faculdades. Enfim, uma terceira razão é que o cinema mudo oferece mais prestígio ao neófito, é mais facilmente acessível pela exterioridade de seu estetismo. Podemos entender, no curso da projeção desses filmes de papel timbrado e de sombras chinesas, donde um bom exemplo é Marcel l’Herbier, espectadores suspirarem após os felizes tempos de um cinema repleto de maravilhas para os olhos. Não se pode debochar demais. Nós todos fomos mais ou menos esse espectador de alma simples. O inquietante não é começar por lá, mas lá permanecer, estagnação onde se compraz a maior parte dos “cinéfilos”, raça estranha, pastora, dócil nos modos, em divórcio flagrante com o cinema no reconhecimento de sua pureza e de suas aproximações do ponto de perfeição.

Tudo está na mise en scène.

A cortina se abre. A noite se faz na sala. Um retângulo de luz vibra em sua presença diante de nós, e é logo invadido por gestos e sons. Nós estamos absorvidos por esse espaço e esse tempo irreais. Mais ou menos absorvidos. A energia misteriosa que suporta com alegrias diversas (bonheurs divers) a enxurrada de sombra e de claridade e sua espuma de ruídos se chama mise en scène. É sobre ela que repousa nossa atenção, ela que organiza um universo, que cobre uma tela; ela, e nenhuma outra. Como a correnteza das notas de uma peça musical. Como o escoamento das palavras de um poema. Como os acordos ou dissonâncias de cores de um quadro. A partir de um assunto, de uma história, de “temas”, e mesmo do último tratamento do roteiro, como a partir de um pretexto ou de um trampolim, eis o jorramento de um mundo do qual o mínimo que podemos exigir é que ele não torne vão o esforço que o fez nascer. A mise en place dos atores e dos objetos, seus deslocamentos no interior do quadro devem tudo exprimir, conforme vemos na perfeição suprema dos dois últimos filmes de Fritz Lang, O Tigre de Bengala e Sepulcro Indiano.

Documentário ou Feeria?

A arte se insere em uma falha. Toda atividade é o produto de uma falta, o movimento de um desequilíbrio rumo ao equilíbrio. O fazer é um deslizamento ontológico rumo à satisfação imóvel. Produzir arte significa construir com o já existente um existente novo que de alguma forma exorciza o artista. Quando Lênin profetiza que os povos felizes não mais terão arte, ele entrevê sob os nus da utopia uma verdade, mas a enfraquece numa aplicação que só dá conta de sua parte mais superficial. O homem terá sempre necessidade da arte porque o jogo ultrapassa em muito a condição social: ele diz respeito ao Eu mais íntimo em suas relações de antagonismo e de acordo com o Resto. A arte é a religião da lucidez.

Recriar um mundo que ao mesmo tempo exorciza o artista e gratifica o espectador, por uma coincidência da vontade de potência do primeiro e do desejo de ordem do segundo no seio de assombrações comuns, reconciliar, tal parece o fim da arte enquanto ato destinado por sua essência de ato a preencher um vazio. À questão “Por que existe arte?” sucede a questão “Como existe arte?”. Como esse fim pode ser atingido e o espectador se sentir preenchido? É preciso, evidentemente, que haja a substituição mais total possível do imaginário pelo real presente, uma absorção da consciência pelo espetáculo, uma proximidade à beira do idêntico, antítese do distanciamento brechtiano que arruína o poder do espetáculo para restaurar o vazio no coração do espectador.

O artista faz obra de arte para se livrar, para apaziguar suas contradições, para se agradar e se seduzir, para se esquecer em um mundo onde ele cessa de “não estar no mundo”, para “sair do inferno”. Seja por uma descida a esse inferno para conhecer-lhe o fundo, se fascinar de seus excessos ao adorná-los dos prestígios da angústia e do medo, prestígios naquilo que os seres que lá mergulham nos propõem do homem uma imagem incandescente que nos projeta para fora de nossa banalidade cotidiana, em um universo onde a alma se dilata, se rasga e ganha a medida de seus possíveis. Apertado por um nó de angústia e de exaltação, o ser é revelado a si mesmo, projetado fora de si rumo a um eu mais autêntico cuja paixão o preenche e o justifica, o seqüestra em uma vertigem onde ele se reconquista em sua totalidade. A contradição levada a seu ponto extremo se resolve em sua tomada de consciência e sua contemplação, que a alça ao sagrado de uma necessidade, portanto de um aquiescimento, de um equilíbrio, de uma paz. É toda a vocação do trágico na arte. O afrontamento, a “crise” visa a uma torção do ser sobre si mesmo, onde tendo sido percorrido o círculo completo, o ser se reencontra no início em sua nudez luminosa e apaziguada. Seja por uma negação do inferno, uma emergência simultânea na alegria, na luz, na calma, ou pelo movimento do prazer. Que tudo aquilo que não deriva dessa ordem do sublime seja nulo, inútil e sem interesse, que toda arte que não é exclusivamente íntima e passional, dedicada ao excesso, preciosa, aristocrática, seja frívola e derrisória, é ao mesmo tempo a evidência de nosso desejo e uma conseqüência lógica da função existencial da arte.

E, portanto, se o cinema fosse tomado como uma sensibilidade insensível, um olhar impassível sobre o mundo, esse caráter poderia espessar ainda, se houvesse necessidade, o mal-entendido que quer fazer da arte um reflexo passivo da realidade integral, enquanto precisamente essa atividade é nascida da necessidade de reformá-la, de se reconciliar com ela. Colocar o homem diante da imagem de um mundo que ele espera exorcizar por meio dessa imagem (do contrário, não há necessidade de imagem, o mundo basta) é o projeto contraditório do “realismo”[5]. Zavattini representa esse projeto em seu estado de absurdidade explícita, o documentário de uma mediocridade, 90 minutos para nada, pois não valeria a pena alugar uma poltrona do teatro para ver o que a rua nos oferece com o mérito de ser real.

Mas inversamente, toda imagem que escapa à realidade não responde de partida ao papel definido por sua existência mesma, enquanto essa existência é suscitada por uma falta na realidade, que não pode, portanto, ser remediada senão por objetos aferentes a ela e se lhe integrando – encarada, nem em sua proliferação casual e banal, nem em um direcionamento rumo ao impossível ou ao falso, mas em suas possibilidades de equilíbrio entre o mundo e o homem. Desse modo os pleonasmos do realismo, assim como os sonhos dos falsos poetas formam ambos fossos-limites entre os quais toda atividade estética deve estar contida sob o risco de escurecer na estupidez ou na inutilidade.

A essência do cinema como arte não é ser mais documentário ou mais feeria, se o documentário se limita a restituir as aparências incontroladas e se a feeria autoriza a mentira, a trucagem e os artifícios de estetas; mas sim, ao mesmo tempo, o documentário e a feeria, tratando-se da beleza imposta pela evidência do olho irrecusável.

Vertigens e cintilações.

A substituição de seus possíveis dilatados pela armadura da banalidade-cotidiana abre o espectador a uma plenitude que se trata de circunscrever em função das modalidades particulares do cinema.

Porquanto o cinema é um olhar e um ouvido mediadores entre o espectador e as aparências, porquanto a organização das aparências e sua apreensão mais eficaz constituem a mise en scène, como esta será em si beleza, isto é, exorcismo de malefícios e canto? A resposta é: pela seleção das aparências, a narrativa sobre um retângulo branco de certos movimentos privilegiados do universo. Dito de outro modo, sobretudo naquilo que elas têm de mais íntimo, as ações e reações de um homem em um cenário. A proximidade mais aguda do corpo do ator veiculará as assombrações e a vontade de sedução, engendrando uma direção de gestos raros, uma arte da epiderme e das entonações de voz, um universo carnal – noturno ou ensolarado. Não uma demonstração, uma sentença, o suporte sacrificado de uma operação superficial do intelecto, mas a linha melódica, com seus crescendos, suas pausas, suas irrupções, movimentos secretos do ser, nos concernindo ao mais vivo de nós mesmos pelas vias do perigo e da exaltação. O ponto de chegada do cinema, atingido em raros instantes pelos grandes dentre os grandes – Losey, Lang, Preminger e Cottafavi –, consiste em despir o espectador de toda distância consciente para precipitá-lo em um estado de hipnose mantido por um encantamento de gestos, de olhares, de ínfimos movimentos do rosto e do corpo, de inflexões vocais, no seio de um universo de objetos radiantes, injuriantes ou benéficos, onde alguém se perde para se reencontrar engrandecido, lúcido e apaziguado. A paixão exclui a indulgência. O acesso a essa mise en scène de vertigens e de cintilações, que se abre a uma liturgia ou à contemplação de uma ordem cósmica reencontrada, pode explicar por que noventa e cinco por cento da produção cinematográfica nos parece inexistente, miserável e sem relação com o cinema. Que, após conhecer tais transportes, venhamos a recusar todos os filmes que não visam a esse sublime, que se limitam a colocar sórdidos problemas ou a contar histórias “com imagens” numa confusão dos meios e do fim, abandonando ao acaso ou a uma repetição de procedimentos mecânicos o que deve ser dominado por uma intuição do coração e uma precisão cuja menor falha rompe a curva de febre, não surpreenderia senão aqueles que se satisfazem com pouco e que, crendo defender uma arte, sugerem-lhe a idéia mais baixa.

A Fascinação.

A absorção da consciência pelo espetáculo se nomeia fascinação: impossibilidade de se arrancar das imagens, movimento imperceptível rumo à tela de todo o ser tencionado, abolição de si nas maravilhas de um universo onde até mesmo morrer se situa no extremo do desejo. Provocar essa tensão rumo à tela aparece como o projeto fundamental do cineasta. Em decorrência, o movimento, domínio específico de nossa arte, deve se adensar de um jogo ou se encher de uma graça tais que ele impede a irrupção da consciência crítica no encadeamento dos atos filmados. Recriando a cada instante nossa expectativa, as metamorfoses contínuas do sensível desenham no espaço o traçado de uma música inelutável e imprevista. No limite, não sabemos mais nada da história que desfila diante de nós, de seu passado, de seu porvir possível, em uma coincidência absoluta de nosso tempo com o tempo imaginário, em uma presença ausente, uma espécie de esquema abstrato que é a beleza pura liberta das condições que a sustentam. Assim, em certas circunstâncias excepcionais da vida, ficamos fora de nós mesmos, como estrangeiros a nossa ação, inteiramente requisitados pelo exterior.

A montagem transparente.

Essa fascinação sempre foi a meta dos cineastas. Suas divergências provêm simplesmente das diversas concepções que eles têm dos seus meios. As teorias sobre montagem que outrora apareceram ilustram seu peso. Tratava-se de imprimir à sucessão das imagens um ritmo análogo ao ritmo musical, de modo a submeter a consciência espectatorial a uma arquitetura determinada, impondo-lhe linhas de força, parâmetros que substituíssem uma necessidade interna pelo acaso. As primeiras pesquisas de Gance, as de Eisenstein, ou a polyvision que é uma montagem espacial perpendicular à montagem temporal, traduzem essa preocupação em aumentar a eficácia do plano por sua disposição em um organismo calculado, como as notas de uma melodia se põem mutuamente em valor. O erro dessas teorias (erro de toda teoria preexistente a uma obra) é quebrar o natural, aqui ao colocar o espectador diante da contradição de uma apreensão do real ao mesmo tempo objetiva e subjetiva: não é a lógica dramática da cena que conduz a tela a liberar sua visão em uma continuidade onde o descontínuo dos planos se dissolve por essa lógica mesma, mas a intervenção exterior e brutal de uma vontade que se superpõe ao olhar da câmera e este, de transparente, puramente mediador que deveria ser, se opacifica, se embaralha, até restabelecer entre o espectador e o espetáculo a distância que se propunha a abolir. Esse erro é devido, conforme já destacamos em uma outra ocasião, a uma identificação abusiva do cinema com as artes tradicionais. Se o cinema coloca o homem face à realidade objetiva, toda ruptura de sua impassibilidade com fins expressivos trai precisamente seus fins. A arte da montagem, que se confunde então com a decupagem[6], consiste, portanto, em tornar os cortes efetuados na massa informe do real tão invisíveis quanto possível.

Agora que o prazer do jogo novo desapareceu, como suportar esses choques de planos, ou essas metáforas intercaladas, como as ovelhas de Chaplin após um plano de multidão? A própria montagem paralela toma velocidades insistentes demais para ser ainda admissível. A única montagem (ou decupagem, se consideramos a operação em sua origem) adequada ao modo de apreensão cinematográfica da realidade é aquela que adere, justo à identidade completa, ao desenvolvimento de uma série dramática dada, por seleção e justaposição de planos essenciais, como um olhar que iria sempre direto ao que importa na marcha de um evento. Assim, o espectador não é posto em face de vários espetáculos ao mesmo tempo, ou de uma análise do espetáculo por um olho absurdo que transgride as leis da atenção, situações que o distanciam brutalmente do espetáculo ao defini-lo por contradição com este último; ele está diante do espetáculo, diante do mundo, o mais próximo do mundo, graças à docilidade, à ductilidade de um olhar que o seu desposa de tal modo que o esquece. Esse olhar não tem a ubiqüidade de que conscientemente ou não o espectador se separa, ele não salta, não desliza como uma serpente, ignora as curvas, as quedas, as provocações, tudo isso que os cinéfilos um pouco retardados chamam de “movimentos de câmera fantásticos”. Ele é clássico ao extremo, ou seja, exato, motivado, equilibrado, uma transparência perfeita através da qual a expressão nua encontra sua mais eficaz intensidade.

DeMille superior a Hitchcock.

Uma vez devolvidos ao domínio da má literatura os ângulos insólitos, os enquadramentos bizarros, os movimentos de câmera gratuitos, em suma, todo o arsenal revelador de impotência, obtemos essa franqueza, essa lealdade sobre o corpo do ator que é o único segredo da mise en scène. Para bem compreender, basta se referir ao recente Vertigo de Hitchcock, ou ainda a um certo plano de O Homem Errado, como exemplos do que não se deve fazer. O redemoinho da câmera em torno do rosto de Henry Fonda para exprimir sua angústia, ou as colorações sucessivas de James Stewart em meio ao pesadelo da vertigem, procedem da mesma impotência diante do ator, ao suplantar uma incapacidade de revelar suas virtualidades passionais – do interior – por uma crispação de tudo aquilo que não é o ator, de tudo aquilo que está fora dele, da mesma forma que os escritores medíocres forçam o estilo e brutalizam as palavras para tentar dar a sentir o que eles não sentem. É aliás interessante escutar da boca de Hitchcock a descrição dessa mise en scène trucada: “Na maior parte do tempo pedimos (ao ator) que atue com calma e naturalidade (…), deixando à câmera a tarefa de adicionar quase todos os efeitos[7] e de enfatizar os pontos importantes. Eu diria que o melhor ator de cinema é aquele que sabe melhor não fazer nada”[8]. Não saberíamos mais explicitamente declarar que não se tem nada a mostrar além de uma certa maneira de mostrar o que não há. Voltemo-nos agora a um ancestral de Hitchcock, Eisenstein: “O realizador não considera nunca o ator como um verdadeiro ser humano, ele imagina o que será o filme e escolhe cuidadosamente o material ao fazer evoluir o ator de modos diferentes e ao decidir, em função do intérprete, as posições da câmera”. E eis a razão dessas grandes máquinas de tela e de cartolina. Pudemos verificar graças à segunda parte de Ivan, o Terrível, a fragilidade da mise en scène de Eisenstein, colosso de pés de argila. Como em Welles, cujo modernismo agressivo e a originalidade gratuita recobrem um expressionismo velho de um quarto de século, ela desenvolve um baixo-alívio atormentado e fingido, galeria de monstros pitorescos, barroca se o barroco se define por uma abundância ornamental do signo sufocando a significação. A obra de Eisenstein nos faz inelutavelmente pensar nos pintores e nos literatos que, não sabendo desenhar um homem, desenham um esqueleto e crêem fazer metafísica.

Se agora damos a palavra ao inocente da cidadezinha, Cecil B. DeMille, o que ouvimos? “Eu devo conhecer a fundo cada ator, enquanto pessoa, assim como seus métodos, e adaptar minha própria concepção do filme a essa personalidade. Eu devo lhes oferecer minha ajuda, meus conselhos, devo guiá-los quando eles me solicitam e lhes oferecer também simpatia e compreensão…”[9]. Essa linguagem nos tira das brutalidades precedentes, e explica o prazer que podemos ainda experimentar em Sansão e Dalila, enquanto Eisenstein, Hitchcock ou Welles se distanciam cada vez mais, na noite de um cinema bárbaro que é apenas a convulsão de um olhar sobre objetos medíocres, ao passo que o cinema deve ser uma contemplação de objetos raros e sem preço.

Preeminência do ator

Dentre os objetos cuja nomenclatura constituiria um catálogo precioso, refinado – jóias gravadas em fogo sobre peles foscas, carros riscando o espaço com traços flamejantes, jardins em flor, robes entreabertos, aldeias à beira mar, ou ainda, numa outra série, navios longilíneos, choques de armas, robes esvoaçantes, casacos rasgados sobre o peito do herói – o objeto privilegiado é, portanto, a imagem de nós mesmos, o ator. Porque o cinema é um olhar que se substitui ao nosso para nos dar um mundo em acordo com nossos desejos, ele nos colocará sobre rostos, corpos radiantes ou feridos mas sempre belos, dessa glória ou desse fracasso que testemunham uma mesma nobreza original, de uma raça eleita que, com embriaguez, reconhecemos nossa, último avanço da vida rumo a deus. Não, como em Rossellini, a aproximação tateante da criatura rumo a um criador, tema exterior à mise en scène, mas o homem tornado deus na mise en scène, pela revelação de seus poderes, brecha aberta bruscamente na superfície das coisas e nos arrebatando. Hino à glória dos corpos, o cinema reconhece o erotismo como sua motivação suprema. Queremos dizer com isso que o cinema não escolheu o erotismo dentre outras vias possíveis, mas que estando dada sua dupla condição de arte e de olhar sobre a carne, ele estava dotado ao erotismo como reconciliação do homem com sua carne. (Enquanto a literatura oferece um terreno favorável às florações mais cerebrais do amor-sentimento, as palavras residindo por natureza no coração da fascinação dos psiquismos, mas se revelando signos muito mais pálidos da fascinação dos corpos.) A busca obsessiva de uma equação que reúne os termos equilibrados de uma carne e de um mundo converge para esse plano de Contos da Lua Vaga em que o amante se estende sobre a relva, banhado de sol, na admiração tranqüila do prazer, exclamando: “Ah! Isso é divino!”. E é de fato o reflexo do divino, possessão perfeita do mundo e de si mesmo, momento comparável a uma água pura desposando os contornos do vaso. Losey, Preminger, Cottafavi, Don Weis, Lang, Walsh, Fuller, Ludwig, Mizoguchi[10], somente eles souberam em graus inigualáveis o segredo dessa empreitada sobre o ator e o cenário que Murnau ou Griffith não podiam levar até o fim, e que Hawks, Hitchcock, Renoir, Rossellini apenas entreviram sem a controlar[11]. Quanto a Bresson, parece que ele quis controlá-la sem entrevê-la.

Essa revelação não é obtida pela câmera a partir do acaso e do vazio, como espera a maior parte dos cineastas, ela se faz merecer por um trabalho preciso sobre os atores em função de suas virtualidades. A escolha dos atores é portanto capital, e no fim das contas um filme nulo e completamente desprovido de ambição, se ele comporta um ator essencial (exemplo: O Egípcio, em que Bella Darvi está sublime), é mais atraente que um filme ambicioso cujos atores são mal escolhidos. (Exemplo: Renoir utilizando Valentine Tessier em Madame Bovary, portanto seu melhor filme). Um ator essencial é aquele cujo rosto, voz e corpo são profundamente tingidos de uma capacidade passional e de uma sedução. A arte do metteur en scèneconsiste então em provocar essa natureza para que ela exploda ou radie, por uma espécie de simpatia direta e fulgurante, donde deriva que cadametteur en scène possui seus atores benéficos, como cada escritor é apegado a certos seres da linguagem mais que a outros, como cada pintor é atraído por uma cor. Face ao azar e aos motivos grosseiros que engendram as escolhas da maioria dos cineastas, que se colocam diante dos atores como a anta de Buridan, ponhamos a fidelidade de Preminger a um tipo de mulheres, Jean Simmons, Gene Tierney, Maggie McNamara (sobre um mínimo gesto), reencontrada ulteriormente através de Kim Novak e Jean Seberg, mulheres feridas, secretas e refugiadas em um mundo de infância, de onde elas lançam através da fixidez de seu rosto apelos apaixonantes que absorvem o abismo de seus olhos. Ou aquela de Losey em duas linhas contrárias que se juntam em uma busca comum da felicidade, uma de mulheres iluminadas docemente de uma luz de calma e de pudor, de razão e de ternura, outra de panteras convulsivas ultrapassando em um momento púrpuro as barreiras que as separam da selva e do bem-estar. Um exemplo inverso e também convincente poderia em uma única fórmula resumir o que precede: Fellini se casou com Giulietta Masina, logo seus filmes são grotescos. O que seria preciso demonstrar.

O Mal-entendido.

Georges Sadoul, recentemente, provocou-me querela a propósito de algumas frases sobre Preminger onde eu tinha exprimido a idéia de uma identidade entre filmes em aparência tão diversos quanto Angel Face, Saint Joan ou Bonjour Tristesse. Se nessas linhas eu me faço entender, tais reprovações derivam manifestamente de uma concepção do “autor de filmes” inadmissível e sem cabimento, no nível do roteiro e das idéias gerais, a partir da qual se pode dizer que René Clair ou Chaplin são autores malgrado o caráter débil, sumário e mecânico de sua apreensão concreta da realidade. Crer que basta a um cineasta escrever seu roteiro e seus diálogos, e orientar segundo temas definidos e repetidos os atos de seus personagens, para ser “autor de filmes” é um dos erros de base que forjam autoridade ainda hoje em uma crítica enevoada pela literatura e cega à luz lancinante da tela[12]. A derrota dos intelectuais diante dos filmes que não propõem à incerteza de seu julgamento a armadura de uma temática preexistente se verifica graças ao cinema de aventura. Essas obras arejadas, sedutoras, amparadas de todos os prestígios da cor, do espaço e dos sentimentos fortes, das quais Walsh permanece o mestre incontestável (muito mais solar que Hawks), das quais o único tema é o herói, seus amores, suas vitórias ou sua morte, por sua ausência de justificação, sua gratuidade dionisíaca[13], seu classicismo cósmico, fazem eles perderem o chão e chegarem ao cúmulo de se desculpar pelo prazer que sentiram. São cegueiras desse tipo que permitem a René Clair, ainda ele, afirmar que as “obras-primas” da tela grande estão saindo de moda; acrescentemos: precisamente porque elas foram consagradas por uma crítica e um público onde reina a confusão dos valores! Mas Griffith, mas Murnau, mas Stroheim – todas as reservas feitas à insuficiência de sua técnica – não saem de moda, e O Ladrão de Bagdá, filme mudo de Walsh com Douglas Fairbanks, permanece visível, enquanto ao redor dele tudo caiu. Da mesma forma podemos predizer sem grande perigo de ser desmentidos que Welles, Kazan, Visconti, Antonioni e outros senhores atuais se tornarão intoleráveis em vinte anos (eles o são desde sempre aos mais sensíveis); quanto a Bergman, antes mesmo de rodar seu primeiro filme ele já era démodé.

O que torna idênticos e quase intercambiáveis – senão no grau da beleza, ao menos no caminho de aproximação da beleza – filmes tão diferentes pela fonte, pela anedota e pelo “clima” quanto aqueles que pontuam a carreira de Preminger é um certo modo de olhar os atores e os objetos, idéia certamente intraduzível para inúmeros amantes de filmes, que não compreendem primeiramente por que o fato mesmo, o fato bruto, de mencionar – algum conceito que aí se re-acopla – o nome de Bernard Shaw ao falar de Saint Joan é a cegueira de uma ignorância, poderíamos dizer ontológica, do cinema enquanto tal.

A noção de autor de filmes se define, portanto, pelo império que o cineasta exerce ou não exerce sobre a matéria mesma de sua arte, sobre aquilo que a tela nos oferece, sobre a luz, o espaço, o tempo, a presença insistente dos objetos, o brilho do suor, a espessura de um cabelo, a elegância de um gesto, o abismo de um olhar. Enquanto isso, a quase-totalidade da crítica se dedica ainda ao roteiro, o que equivale a comentar Le Radeau de la Méduse e a definir Géricault citando as peripécias do naufrágio e a idade do capitão. Assim, a pesquisa e a síntese das equivalências de roteiros em Hitchcock (as transferências de culpabilidade, por exemplo) não interessam em nada ao que vemos sobre a tela e que somente conta. O tema da transferência dá lugar a situações que em si mesmas engendram uma mise en scène cujas próprias constantes são o que retêm nossa atenção. Analisar a obra de um cineasta é mostrar em que seu acesso aos temas fundamentais da mise en scène, ordenados em torno da presença corporal dos atores em um cenário, é ou não é capaz de nos fascinar. Como ele desvela o desejo, o ódio, a violência, o medo, a ternura, como olha a cidade, as árvores ou o mar. Essas noções requerem o uso da metáfora e um caminho que torce a linguagem para dar conta de seres estéticos novos.

É preciso concluir, se comparamos esses princípios elementares à sua aplicação, que o cinema é tão desconhecido hoje quanto era a pintura no fim do último século. Reprovamos a nossos pais terem colocado Meissonnier antes de Cézanne, mas não vemos nosso século de luzes preferir as Noites Brancas de Visconti às Aventuras de Hajji Baba de Don Weis? Surpreende-se que as obras levadas num dia aos píncaros sejam insuportáveis ou ignoradas no dia seguinte, sem compreender que isso não ocorre por uma fatalidade misteriosa, mas simplesmente porque a maior parte dos espectadores não aprendeu ainda a olhar, e filtra as imagens através de uma consciência inadaptada às realidades da tela.

Michel Mourlet

[1] Não se tratam evidentemente dos critérios de finalidade, transcendentes à obra e comuns a toda forma de arte.

[2] Esse parágrafo que eu acreditava dever defender da imprecisão foi escrito quando eu tinha achado sua melhor justificação em um artigo de André Bazin, compilado em Qu’est-ce que le cinéma? e intitulado “O Mito do Cinema Total”. Citemos: “Tudo me parece ocorrer como se devêssemos inverter aqui a causalidade histórica que vai da infraestrutura econômica às superestruturas ideológicas e considerar as descobertas técnicas fundamentais como acidentes felizes e favoráveis, mas essencialmente secundários em relação à idéia preliminar dos inventores. O cinema é um fenômeno idealista. A idéia a partir da qual os homens o fizeram existia toda pronta em seu cérebro, como no céu platoniano, e o que nos atinge é bem mais a resistência tenaz da matéria à idéia do que as sugestões da técnica à imaginação do explorador”. E mais adiante: “Se as origens de uma arte deixam perceber alguma coisa de sua essência, podemos considerar os cinemas mudo e sonoro como as etapas de um desenvolvimento técnico que realiza pouco a pouco o mito original dos exploradores. Compreende-se, nessa perspectiva, que seja absurdo tomar o cinema mudo por uma espécie de perfeição primitiva da qual o realismo do som e da cor progressivamente se distanciaria”.

[3] Cf. a definição de Valéry, contemporânea dessa época: “O cinema é a arte de fazer o falso com o verdadeiro”.

[4] Importância da fotografia: de sua qualidade depende em parte a sensação do volume espacial, o grão da luz, os jogos tênues da epiderme.

[5] “Fazer o verdadeiro” não é um fim mas um meio, o meio de fazer aceitar o fim que é a beleza. Uma beleza que não é verdadeira não é mais tolerável do que uma verdade que não é bela. O cinema cristaliza e realiza toda a vontade de verdade difusa nas outras artes, ele é, nesse sentido, seu epítome. Mas ele se torna sua derrisão caso estacione nesse degrau e fabrique, por exemplo, “reportagem vivida”…

[6] Trata-se apenas de uma simples operação de colagem, à exceção – totalmente material – das cenas rodadas fora de sua ordem cronológica.

[7] Grifos meus.

[8] Cahiers du Cinéma n° 66, p. 66.

[9] Cahiers du Cinéma n° 66, p. 69.

[10] Haveria lugar sem dúvida para citar também Ida Lupino e Edgar Ulmer, ainda que muito pouco conhecidos, La Déesse des Incas de Frantz Eichtorm, sem esquecer Allan Dwan e alguns clarões em Douglas Sirk e Richard Fleischer.

[11] Reconheçamos nossa dívida perante a crítica “hitchcocko-hawksiana”, que sobretudo com Éric Rohmer, Jacques Rivette e Philippe Demonsablon foi a primeira a preparar o terreno, ainda que ela pareça hesitar em tirar as conseqüências de suas premissas.

[12] Isso não significa que o roteiro não tenha importância. A mise en scène se funda sobre as situações e depende de cada um que todas as situações não engendrem uma mesma revelação do ator. É por isso que falo de trampolim. Somente importa a altura do salto, mas ela depende da elasticidade do ponto de apoio tanto quanto das pernas.

[13] Distingamos essa gratuidade sobre o plano dos temas e da mise en situation, que pode ir justo a uma grande independência face às exigências de roteiro, e se confunde com a simples alegria de filmar um momento raro do universo, e a gratuidade que eu reprovava em Welles por exemplo, gratuidade esta de mise en scène; assim os contra-plongées sistemáticos e inúteis, ou a utilização, segundo seus próprios dizeres, de tal objetivaporque seus colegas não o empregam.

Cahiers du Cinéma nº 98, agosto 1959

Tradução: Luiz Carlos Oliveira Jr.

Trecho de uma entrevista encenada no filme Pasolini (Abel Ferrara, 2014)

20141018100044!Pasolini-Abel-Ferrara

Entrevistador:

-Vamos começar. Nos seus escritos,
nos seus artigos, você deu muitas versões
daquilo que detesta
e iniciou uma luta solitária
contra as instituições
contra as ideologias, contra os
poderes, contra algumas pessoas
e para deixar nossa conversa
menos complicada
eu chamarei tudo isso de
“a situação”. Claro que
me refiro àquela cena a que
você normalmente se dirige.
Mas quero lhe fazer uma objeção.
Digamos que seu pensamento
seja um pensamento mágico.
Você faz um gesto com a mão
e tudo desaparece
tudo aquilo que você detesta.
Você então fica sozinho,
sozinho e sem meios.
Sem meios de expressão, quero dizer.

Pasolini: Sim, entendo.
Você fala de um pensamento mágico
que não apenas procuro mas
no qual acredito, e não porque
me considere uma espécie
de feiticeiro,
mas porque sei que batendo
sempre no mesmo prego
é possível derrubar uma casa.
Aqueles que mudaram a história
não foram nem os cortesãos
nem os assistentes dos cardeais,
mas aqueles que souberam dizer “não”.
A recusa sempre foi um gesto
essencial e, na verdade,
para funcionar deve ser
grande, absoluto, absurdo.
O bom senso nunca conseguiu
parar a “situação”.
Veja bem, são três os discursos:
qual é “a situação”
a razão de pará-la ou destruí-la
e de que forma.

-Bem, agora descreva “a situação”.
Você sabe bem que seus escritos
e sua linguagem tem o efeito da
luz do sol que atravessa a poeira.
Que é uma bela imagem
mas é difícil de entender.

-Obrigado pela imagem do sol, mas
minha pretensão é bem menor.
Pretendo simplesmente que você
se dê conta desta tragédia.
Qual é a tragédia?
A tragédia é que não existem mais
seres humanos, somente estranhas
máquinas que se batem umas nas outras.
E essa tragédia começou
com aquele universal,
obrigatório
e perverso sistema de educação
que forma a todos nós,
desde as ditas classes dirigentes
até os pobres.
Que nos joga a todos dentro
da arena do “querer tudo”
cada coisa a qualquer preço.
Daí a razão pela qual
todos querem as mesmas coisas
e se comportam do mesmo modo.
Por isso, se tenho em mãos
um conselho de administração
ou uma manobra financeira,
uso tudo isso.
Ou posso usar um porrete.
E quando decido usar um porrete
eu uso minha violência
para obter aquilo que quero.
Por que eu quero?
Porque me disseram que
é uma virtude querer.
Eu exercito meu direito,
minha virtude.
Sou um assassino,
e sou um grande homem.
Dessa forma, hoje as pessoas
se matam sem escrúpulos.
Por isso o panorama mudou
agora existe o desejo de matar
e esse desejo nos liga a todos
como irmãos sinistros
na derrocada sinistra de
um sistema social inteiro
que fabrica gladiadores,
todos educados para ter,
possuir e destruir.

-Você nos vê como pequenos pastores
sem educação escolástica
ignorantes mas felizes.

-Vou lhe dizer francamente:
eu desço ao inferno
e sei muitas coisas que ainda
não tiram a paz dos outros.
Mas fiquem atentos.
O inferno vai chegar em vocês.
É verdade que ele usa
uniformes diversos e
coloca diferentes máscaras.
Somos todos vítimas e
somos todos culpados.
Mas a vontade, o desejo
de dar a porretada,
de agredir, de matar,
é forte e está em todos.
Não vai restar por muito
tempo a experiência
privada e arriscada de quem
como posso dizer
Tocou “a vida violenta”.
Não se iludam.
Vocês
com a sua escola
a televisão
a pacatez dos seus jornais
vocês
são os grandes conservadores
dessa ordem horrenda
baseada na ideia de possuir
e na ideia de destruir.

-Vamos voltar à pergunta inicial.
Você magicamente apaga tudo,
a escola obrigatória,
os funcionários eleitos,
a própria televisão.
E o que lhe resta?

-Tudo.
A mim resta tudo.
Eu mesmo.
Estar vivo.
Estar vivo no mundo.
Ver, trabalhar, entender, meus livros.
Os meus filmes.
Eu continuaria a fazer filmes mesmo
se fosse o último homem no mundo,
talvez continuaria a fazê-los
porque preciso deles
porque tenho prazer em fazê-los.
Ou me suicido, ou os faço.
Eu, fazendo filmes
expresso a mim mesmo,
de algum modo.
Se depois essa minha
expressão é alienada,
paciência.
Mas tentei me expressar
de forma livre, na medida do possível.
Agora chega, não quero
mais falar de mim.
De mim
já disse bastante,
todos sabem que
as minhas experiências
eu levo à sério, talvez eu erre,
mas eu vou continuar a dizer
que estamos todos em perigo.

-Pasolini, se essa
é sua visão da vida,
não sei se vai aceitar a pergunta,
mas como pode distanciar
o risco e o perigo?

-Está tarde.
É melhor pararmos.
Talvez possa me deixar as perguntas.
Existem alguns pontos muito absolutos,
me dê o tempo para pensar.
Para mim é muito mais fácil
escrever do que falar.
Acrescento algumas notas
e lhe dou amanhã.
Já tem um título?
“Estamos todos em perigo?”

vlcsnap-2015-07-03-01h58m11s94